Portugal entra hoje na “segunda fase da desagregação” com os números mais baixos em hospitais desde Agosto do ano passado.

Os onipresentes pátios de cafés ficaram cheios de pessoas que finalmente conseguiram tomar seu café ao sol. As escolas de ensino médio acolhem o retorno de 700.000 alunos adicionais, mais de 150.000 funcionários adicionais (a maioria dos quais já recebeu pelo menos as primeiras vacinas) e reabriram academias, bem como lojas locais, museus, centros educacionais e eventos diurnos / sociais centros de atendimento. Lentamente, o país está abrindo suas portas aos negócios, embora as sombras permaneçam.

Em primeiro lugar, o Algarve é uma das regiões ameaçadas pelo elevado TR (transmissão) (clique aqui). Apesar do fato de que os hospitais em todos os lugares são essencialmente “livres de estresse”, a alta taxa de tratamento em tratamento pode levar a novas internações nas próximas duas semanas.

Em segundo lugar, no caso do setor de cafés / restaurantes, esta última etapa ainda está muito longe de “picar mostarda”.

Danial Serra da Pro.Var (Associação Nacional de Restaurantes) explica que nas próximas semanas eles verão grandes negócios “correrem com prejuízo”.

“Para o conjunto do povo português, parece que tudo voltou ao normal”, disse hoje. “Mas para os empresários isso seria uma ilusão.”

Na verdade, ele diz que ainda não viu muitos restaurantes demitindo seus funcionários.

Outra questão é que esse momento comparativo de “liberdade” depende do clima. Conforme o sol brilha, definitivamente há uma oportunidade para algum tipo de receita, mas se cair de repente ou chover, os clientes são menos prováveis ​​- e algumas partes do país ainda são significativamente menos “atraentes” do que outras.

Pense por um momento na ideia de sair para jantar esta noite. Você quer ficar ao ar livre, mesmo que possa ficar até as 22h30?

Na opinião de Daniel Serra, será a “terceira etapa da desconstrução” que impede as mudanças, e isso está previsto para ocorrer no dia 19 de abril, se os “números” com certeza satisfizerem as autoridades.

Já existem 19 “na fronteira” – outros 60 “bairros” provavelmente ameaçarão mais do que os “bairros” (clique aqui). Portanto, nada é certo.

Outra “desvantagem” desta fase é que, quer reabram ou não – e comecem ou não a atrair clientes – todos os cafés e restaurantes devem encerrar aos fins-de-semana a partir das 13 horas.

É estranho que o apelo do governo para que as pessoas “fiquem em casa” (aqui conhecido como o “dever de se retirar”) “continue”, é claro, dentro dos limites deste último estado de emergência, que continua até 15 de abril. Por motivos que não estão claros, hoje, segunda-feira, os moradores ainda estão confinados aos limites de seus bairros até às 23h59 (um minuto antes da meia-noite).

natasha.donn@algarveresident.com

By Dinis Vicente

"Nerd de TV. Fanático por viagens. Fanático por mídia social aspirante. Defensor do café. Solucionador de problemas."

Leave a Reply

Your email address will not be published.