Althahbiah

Informações sobre Portugal.

Vinte anos depois, a União Europeia mostra-se indiferente a um acordo comercial com o Mercosul

As dúvidas foram ampliadas por uma nova estratégia comercial da UE, revelada em fevereiro, que diz que os potenciais parceiros do bloco comercial mais rico do mundo devem aderir aos padrões de direitos ambientais e trabalhistas.

Embora pouco tenha sido notado quando a União Europeia iniciou as negociações com o Mercosul em 1999, o escrutínio dos acordos comerciais se intensificou desde então, especialmente depois que a União lançou negociações para a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) com os Estados Unidos em 2013, gerando protestos em massa .

A União Europeia está buscando mais cooperação com os Estados Unidos no comércio agora, e o presidente dos EUA, Joe Biden, substituiu Donald Trump, mas as negociações da TTIP, que foram suspensas em 2016, não serão retomadas.

Outros parceiros em potencial estão acompanhando a saga do Mercosul de perto, sabendo que o acordo de investimento fechado com a China em dezembro também passará por um exame minucioso.

“O comércio já é difícil o suficiente. Essas questões adicionais tornam difícil para a União Europeia fazer negócios com qualquer outra pessoa”, disse David Hennig, diretor do think-tank ECIPE.

Hennig disse que, com exceção da Austrália e da Nova Zelândia, não havia “negócios fáceis” no horizonte para a União Europeia, indicando a possibilidade de que haveria negociações difíceis com os países da ASEAN, incluindo a Indonésia e as Filipinas.

“Não ao Circusur” na Áustria

Portugal, que mantém laços estreitos com a América do Sul, fez do fecho do negócio uma prioridade da sua presidência para os assuntos da União Europeia no primeiro semestre de 2021, afirmando que está em jogo a credibilidade da Europa.

Qualquer acordo comercial precisa do apoio do Parlamento Europeu e de membros da União Europeia para entrar em vigor e está longe da convicção de todos.

READ  O Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal - EURACTIV.com afirmou que a renovação da ligação entre a União Europeia e a Índia pode reequilibrar as relações com a China

Os produtores de carne bovina França e Irlanda, que estavam preocupados com as importações de carne, ameaçaram bloquear o negócio meses depois que ele foi fechado, quando os incêndios eclodiram nas florestas tropicais do Brasil.

Desde então, a Áustria assumiu a liderança. A frase “Não ao Mercosul” estava escrita em seu novo acordo de governo, e o vice-chanceler Werner Kugler, do Partido Verde, escreveu ao primeiro-ministro português neste mês, dizendo que a Áustria “faria o possível” para se opor ao acordo.

A ministra da Agricultura do Brasil, Teresa Cristina Dias, e o vice-presidente Hamilton Murao, disseram que as preocupações ambientais são uma máscara do protecionismo europeu. Mas ambos os lados reconhecem que o acordo não será aprovado em sua forma atual.

O Brasil, o quinto maior emissor de gases de efeito estufa, tem planos de longo prazo para reduzir as emissões e conter o desmatamento, mas o enfraquecimento da fiscalização ambiental por Bolsonaro abalou a confiança em sua acessibilidade.

Os críticos afirmam que 15 páginas do atual texto do Mercosul sobre trabalho e meio ambiente carecem de força. A Comissão Europeia propõe agora assegurar compromissos mais claros.

A ideia ganhou amplo apoio da União Europeia neste mês. Os estados do Mercosul dizem que aguardam texto sobre mudança climática e desmatamento.

Um diplomata do Mercosul, que pediu para não ser identificado, alertou que é preciso haver equilíbrio, e não apenas incluir as demandas da União Européia.

Eleições na França e no Brasil em 2022

O Parlamento Europeu deseja o compromisso de monitorar e fazer cumprir os padrões globais e as consequências claras das violações.

“Sem isso, seria problemático. Existem algumas vozes críticas em quase todos os grupos políticos”, disse Bernd Lange, presidente do comitê de comércio do Parlamento.

READ  Biden chooses Rohit Chopra to lead the Consumer Protection Agency

O Parlamento rejeitou o acordo comercial de falsificação de vários países em 2012, mas Lange disse que o Parlamento prefere melhorias a rejeitar acordos.

“Cabe agora ao processo de negociação encontrar uma solução.”

O que o espera são conversas renovadas com uma data de término incerta.

O ministro francês do Comércio, Franck Riester, disse que a França deseja, por exemplo, ver o que o Brasil fará na conferência sobre mudança climática da ONU em novembro, dando à França a oportunidade de promover o acordo no início de 2022, quando assumir a presidência da UE.

No entanto, coincidirá com a campanha do presidente francês Emmanuel Macron pela reeleição em uma disputa potencialmente acirrada, já que o acordo com o Mercosul pode custar-lhe apoio.

Alguns aconselham esperar um pouco mais no ano que vem, já que as eleições presidenciais no Brasil estão marcadas para outubro.

Um potencial parceiro diplomata disse que a experiência do Mercosul mostra que a União Europeia se tornou um parceiro difícil de se chegar a um acordo comercial. A lição foi tentar resolver todos os problemas com antecedência para evitar ser arrastado para uma segunda rodada de “quase-negociações”. ($ 1 = € 0,8392)

(Cobrindo com Philip Blenkinsop, Jake Spring e Anthony Poodle de Brasília, e François Murphy em Viena, editado por Mark John e Barbara Lewis) ((philip.blenkinsop@thomsonreuters.com); +32 2 585 2869; Correspondência da Reuters: philip. blenkinsop.thomsonreuters. com@reuters.net))