Althahbiah

Informações sobre Portugal.

Uma mulher foi premiada com € 61.000 como compensação por trabalhar em casa

Escrito por Paula Martins, na notícia · 05-03-2021 01:00:00 · 0 comentários

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) emitiu decisão obrigando o ex-companheiro da mulher a pagar cerca de 61 mil euros de indemnização pelo trabalho doméstico prestado durante 30 anos de parceria não conjugal.

“A prestação do trabalho doméstico, bem como o cuidado, supervisão e educação dos filhos, exclusiva ou prioritariamente por um dos sócios da união não conjugal, conduziu ao empobrecimento de um dos cônjuges, com a correspondente libertação do outro membro dos cônjuges ”, diz o veredicto a que o Portugal News conseguiu chegar.

O cumprimento dessas tarefas permitiu o enriquecimento do outro sócio, “porque permite ao beneficiário produzir a partir dessa conquista, sem custos ou contribuições”, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal.

“É preciso esclarecer que a decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) não condena a restituição do valor do serviço doméstico prestado durante o período da parceria não conjugal, mas sim do valor em que foi considerado que este serviço contribuiu para a aquisição de bens da arguida, que foi e sempre será exclusiva ”, explica a AJP, chefiada pela Desembargadora Paula Ferreira Pinto.

Ao interpretar a sentença, o AJP afirma que, “Durante os anos em que viveram em sociedade económica, o arguido foi adquirindo bens que lhe pertenciam, mas também utilizando o esforço do companheiro no interesse da economia familiar, o que foi concretizado localmente.

Assim – afirma AJP – ficou decidido que “este serviço implicava não só ter sido despendido verba nos correspondentes serviços, mas também libertado o arguido da sua prestação, permitindo-lhe o exercício de actividades remuneradas que contribuam para a aquisição de meios de aumento a herança.”

READ  2- Atualização do Brasil para suspensão do imposto sobre o diesel; Fontes dizem que os impostos bancários vão aumentar

Após o término da união não conjugal, cessou o esforço conjunto dos cônjuges associados a esta herança, sendo condenado a restituição do valor em que foi apurada a contribuição da mulher, e traduzido em prestação de trabalho familiar, a fim de adquirir bens de família que a mulher não possui ”, afirma AJP.

A ACP afirma ainda que este acordo não é novo do ponto de vista jurídico e doutrinal, porque o instituto em questão é muito antigo, e o “enriquecimento civil sem justa causa” está previsto no Código Civil de 1996. Presidente da Ordem dos Advogados Portugueses (OA), Luis Menezes Leitau, partilha a mesma opinião, afirmando que “O caso não é inteiramente novo, pois já foi defendida a candidatura do Instituto de Enriquecimento Ilícito na Fé e na Jurisprudência”. A única diferença neste caso foi o “alto valor inicial”.

Adicionalmente, a Associação Portuguesa de Juristas (APMJ) saudou também a “valorização do trabalho doméstico” contida no acórdão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que, na sua acepção, constitui uma “inovação do ordenamento jurídico português” no artigo.

A representante da APMJ, Joanna Pinto Coelho, frisou que embora este direito tenha sido redigido desde a alteração do Código Civil (2008) – artigo 1676 nº2 – ao prever “uma avaliação do trabalho realizado em relação ao cuidado da família e do lar”, ou com tarefas domésticas, a regra “na prática não tem consequências” e não se aplica.

Embora a decisão do STJ não constitua um precedente, nem vincule os tribunais, como é o caso em outros países, ela pode ser usada como “orientação jurisprudencial” e “para todo o futuro”. [judicial] As decisões podem ser contrariadas com este [STJ]Joanna Pinto Coelho explica.

No caso agora analisado pelos Sírios pela Verdade e Justiça, a mulher pediu pelo menos 240 mil euros, mas, em primeiro lugar, o tribunal de Barcelos considerou que não havia lugar para pagar qualquer quantia pelo trabalho doméstico da mulher.

READ  Microsoft says SolarWinds hackers have compromised its source code

A mulher recorreu para o Tribunal de Rilacau, que acolheu o seu raciocínio e fixou a indemnização em € 60.782. O homem recorreu ao Tribunal Especial de Justiça de Transição, que confirmou a decisão do tribunal.

O STJ disse: “O trabalho doméstico, embora permaneça estranhamente invisível para muitos, tem claramente um valor econômico e se traduz em um enriquecimento na economia de gastos”.