LISBOA (Reuters) – Portugal disse nesta quinta-feira que as sanções impostas pelo Reino Unido ao bilionário proprietário do Chelsea, Roman Abramovich, que é cidadão português desde o ano passado, não se aplicam fora do Reino Unido devido à sua saída da União Europeia.
Em comunicado enviado à Reuters, o Ministério da Justiça também disse que as sanções da UE contra a oligarquia russa pela invasão da Ucrânia por Moscou não incluem a revogação da cidadania de uma pessoa.
O empresário russo Abramovich obteve a cidadania portuguesa em abril de 2021 com base em uma lei que concede a cidadania a descendentes de judeus sefarditas que foram expulsos da Península Ibérica durante a Inquisição medieval.
Não há história conhecida de judeus sefarditas na Rússia, embora Abramovich seja um sobrenome comum de ascendência judaica Ashkenazi.
Em janeiro, o Ministério Público português abriu um inquérito sobre a concessão de cidadania a Abramovich.
A Grã-Bretanha, que votou pela saída da União Europeia em um referendo de 2016, impôs sanções a Abramovich e Igor Sechin, presidente-executivo da gigante petrolífera russa Rosneft, e os submeteu a congelamentos de ativos e proibições de viagens por suas ligações com o presidente russo, Vladimir Putin.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published.