No que as reportagens de hoje descrevem como uma “ação de campanha pré-eleitoral”, o primeiro-ministro Antonio Costa sugeriu uma redução de impostos para ajudar a desenvolver negócios.

Falando na Costa da Caparica – e no contexto da “necessidade de manter um orçamento equilibrado” – disse “acreditar” que há “espaço para ajustamento com o sistema fiscal”.

Pelo menos é o que as fontes insistiram – embora as palavras exatas do primeiro-ministro fossem um pouco mais inclinadas.

Ele disse: “Devemos ter uma política fiscal estável que leve em conta claramente os esforços que o Estado tem que fazer para manter as contas corretas; o que obviamente não nos permite olhar para o sistema tributário como se fosse um pedaço em branco de papel onde somos livres para correr livremente. Temos que saber gerir a nossa margem em termos de política fiscal, alinhar os estímulos com os estímulos necessários para o futuro da economia portuguesa.”

No mesmo encontro com empresários, disse que se Portugal mantiver a sua actual “percurso económico-financeiro”, chegará a 2023 sem correr o risco de um “défice orçamental excessivo”.

De fato, ele espera que o país retorne ao seu nível de PIB de 2019 no segundo semestre deste ano – e que o Banco Central Europeu não mude suas políticas de taxas de juros, apesar do que ele chamou de “inflação situacional” em todo o bloco. .

“Em 2023, ao que tudo indica, Portugal estará em conformidade com as regras (tratado orçamental da UE) quando for restabelecido. É provável que o défice de 2021 seja inferior às expectativas do governo devido ao crescimento económico e melhor desempenho da despesa .”

See also  A Algarve Society lança o guia promocional da quinta à escola

natasha.donn@algarveresident.com

By

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *