O líder do PSD, Roy Ryo, aproveitou seu momento no palco da última conferência do MEL – O Movimento pela Europa e a Liberdade – para enviar uma mensagem ao líder de direita Chega André Ventura de que não haverá acordo entre os dois. Com a intenção de ganhar força.

Na verdade, Ryo indicou que o PSD não é realmente um “partido de direita”. Ele disse que se fosse esse o caso, ele não teria sido autorizado a entrar.

Como tal, o discurso tratou de fazer um (outro) convite aos Socialistas Socialistas para uma sinergia política.

Na mentalidade do economista de 64 anos, é preciso relançar a economia portuguesa no longo prazo.

“Se quisermos reformar o sistema de seguridade social para garantir sua estabilidade futura, precisaremos de acordos de base ampla entre as partes”, disse o Sr. Ryo.

O mesmo se aplica aos problemas da queda acentuada das taxas de natalidade e às questões de como desenvolver as regiões do interior.

Foi um momento preventivo em uma conferência onde Andre Ventura do Chega foi ouvido dizendo que o caminho a seguir é “lutar contra a esquerda” “dando-lhes um soco” e não dando-lhes um “bombom”.

O lutador de rua – que esta semana foi condenado por um tribunal a se desculpar com uma família negra por chamá-la de “bandidos” – continuou a insistir que “não haverá possibilidade de governos de direita (em Portugal) sem shiga” na mistura . Isso pode ter explicado a lição de história política do Rio logo depois – mostrando que as origens do PSD estavam na verdade em uma ideologia de centro-esquerda, não de centro-direita.

O Bloco de Esquerda e o Partido Comunista dos Comunistas são partidos da “Esquerda Radical”, enquanto o Partido Socialista é o partido da “Esquerda Moderada”, disse Ryo, enquanto o CDS-PP, a Iniciativa Liberal e o Chega são todos partidos no o certo.

O ex-vice-primeiro-ministro Paulo Portas (CDS-PP) teve seu momento no pódio descrevendo a política nos dias de hoje como uma forma de gritar nas redes sociais “Dói a democracia”.

Pondo o sapato nas aspirações de influência de Shiga, Portas acrescentou que “governos populistas indiretamente de direita não sabem como gerenciar crises globais”.

O MEL é um movimento de pessoas independentes e políticas “unidas para construir um futuro para Portugal e conferir dignidade política à sociedade portuguesa”

Quem esteve presente ao longo da conferência foi Pedro Passos Coelho, o ex-primeiro-ministro do PSD nos dias da Troika, que muitos esperam esteja a planear um regresso à linha da frente política.

natasha.donn@algarveresident.com

By Dinis Vicente

"Nerd de TV. Fanático por viagens. Fanático por mídia social aspirante. Defensor do café. Solucionador de problemas."

Leave a Reply

Your email address will not be published.