BRASÍLIA (Reuters) – O governo brasileiro vai vetar 3,1 bilhões de reais (568 milhões de dólares) em gastos discricionários e apropriações do Congresso no orçamento de 2022 para permitir que esse dinheiro seja gasto na folha de pagamento pública, disseram duas fontes do Ministério da Economia nesta sexta-feira.

O governo queria vetar até 9 bilhões de riais, mas decidiu que seria politicamente difícil em um ano eleitoral, já que o Congresso já havia aprovado o projeto de lei orçamentária.

O presidente Jair Bolsonaro tem até hoje para assinar a lei.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Segundo três fontes bem informadas, o fundo eleitoral, que apoiará as campanhas eleitorais este ano, ficará com R$ 4,9 bilhões.

Duas fontes disseram que o espaço para reajustar os salários dos funcionários públicos permanecerá em 1,7 bilhão de riais de Omã, conforme aprovado pelo Congresso.

A reserva de reajuste salarial foi destaque nesta semana, quando os servidores públicos iniciaram uma greve parcial para exigir salários mais altos.

No ano passado, Bolsonaro disse que apenas os funcionários públicos que trabalham nos serviços de segurança receberiam aumentos salariais, provocando protestos de outros funcionários do setor público.

Bolsonaro, que buscará a reeleição em outubro, não decidiu quais funcionários receberão os aumentos.

(1 dólar = 5,4537 riais)

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Relatório Marcela Ayres). Edição por Sandra Mahler

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

By

Leave a Reply

Your email address will not be published.