O estado de emergência de Portugal deverá permanecer em vigor até maio – a fim de legalizar todas as restrições à vida diária e atividades comerciais que permanecem em vigor.

Foi esta a mensagem que o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa enviou ontem durante a sua visita a uma escola primária em Lisboa.

Entre as fotos bizarras com crianças, o chefe de estado conseguiu dar algumas mensagens políticas cristalinas – não menos importante, que a Europa precisa “se recompor” e agir como um adulto.

“A Europa não pode ser um reino egoísta”, disse ele, referindo-se ao processo de enxerto um tanto caótico que o bloco orquestrou.

Até agora, disse ele, ele “tem que perceber” que a vacinação “não está indo bem na Europa”.

Citando a quebra de fornecimento, produção e entrega de medicamentos que levou ao não cumprimento de contratos, Marcelo destacou que o segundo trimestre deste ano deve ser uma recuperação “do que não foi possível no primeiro trimestre”.

A farsa envolvendo a suspensão da vacina AstraZeneca em diversos países na semana passada, em sua opinião, poderia ter sido evitada por completo.

Não deve caber a cada país a decisão de suspender ou não a vacina. “Teria sido melhor para a“ Europa ”como um todo encaminhar suas preocupações (como fez no final) a um órgão de referência (neste caso, a Agência Europeia de Medicamentos) que quase imediatamente declarou a vacina“ segura e eficaz ”.

Em outras palavras, a União Europeia deveria ter agido como “uma união, não um total egoísmo”, disse ele.

Esse era o tipo de mensagem que só poderia ser entregue em um “ambiente confortável”. Tirá-la do pódio seria de alguma forma mais “agressivo”.

Como estava, com as crianças vagando ao fundo, esta foi uma maneira tranquila de “esclarecer as coisas” e continuar.

Em resposta às estranhas declarações do comissário europeu Terry Breton de que gostaria de acreditar que a Europa pode alcançar a imunidade coletiva até o Dia da Bastilha (14 de julho), Masello disse que os objetivos de Portugal permanecem inalterados – 70% da população deve ser vacinada até setembro.

“Esse é o objetivo principal. Para que isso seja possível, precisamos de vacinas e o ritmo de vacinação deve ser intenso”.

O noticiário da noite de ontem estava cheio de planos do governo para começar a acelerar o lançamento de Portugal a partir deste fim de semana, com campanhas de vacinação em massa programadas à medida que mais suprimentos chegam ao país.

Em abril chega a vacina Johnson & Johnson / Janssen (1,25 milhão de doses). Isto seria uma “virada de jogo” para Portugal, pois é um golpe, e ajudará as autoridades a “recuperar” todo o tempo perdido.

natasha.donn@algarveresident.com

By Dinis Vicente

"Nerd de TV. Fanático por viagens. Fanático por mídia social aspirante. Defensor do café. Solucionador de problemas."

Leave a Reply

Your email address will not be published.