Organizar um torneio ao mais alto nível é um negócio sério, reservado a profissionais. É a primeira vez que Portugal organiza um torneio World Judo Tour, mas o país tem experiência com outros eventos e isso ajuda. Bem-vindo a Lisboa, onde o judo começa em 2022!


Da esquerda para a direita, o Diretor de Árbitros da IJF Jeon Kim Young, o Diretor de Educação e Treinamento da IJF Mohamed Meridja e o Diretor de Esportes da IJF Vladimir Barta

O sorteio do Grande Prémio de Portugal, que é o nome do evento, decorreu como habitualmente e trouxe algumas surpresas, como sempre e outra coisa que deixamos para o final, para que nos leia de uma só vez.

Mohamed Meridja, Diretor de Educação e Treinamento da IJF, representou o Presidente da IJF Marius Vizer e explicou bem as coisas: “No ano passado, Portugal organizou o Campeonato Mundial de Kata e para veteranos. É por isso que confiamos plenamente no sucesso previsto do primeiro torneio do ano.”

Por seu lado, o Presidente da Federação Portuguesa, Jorge Fernandes, “assumiu o desafio como algo normal, mas a sério. Agradecemos sinceramente a confiança de Marius Vizer. Tudo vai ficar bem.”

A apresentação contou ainda com a presença de Filipe Pacheco, Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Almada, que explicou as três razões pelas quais o torneio é importante: “É uma oportunidade do ponto de vista turístico, é um desafio para a cultura e o desporto e é algo positivo para a sociedade”. Mensagens curtas e diretas são sempre as melhores, disse um certo Churchill.

Do torneio podemos dizer que são 301 atletas, 179 homens e 122 mulheres, que vão lutar durante três dias. A competição vai início na sexta-feira às 10:00, Prosseguir no sábado a partir das 11:00 e termina no domingo das 11h30 até o fechamento do último bloco.


Primeiro à esquerda, o Presidente da Federação Portuguesa, Jorge Fernandes com Filipe Pacheco, Vereador do Desporto Município de Almada

Resta falar sobre as surpresas e alguns detalhes interessantes.

Existem nomes ilustres, como Distria Krasniqi. A Kosovar é campeã olímpica nos -48kg, mas veio pelo título nos -52kg, a categoria em que se sente mais confortável. Há também os dois primeiros do ranking mundial em -66kg, o coreano An Baul e o moldavo Denis Vieru. Isso cheira a um final de alto quilate. O belga e campeão mundial, Matthias Casse, aparece como o claro favorito nos -81kg; vamos ver como ele está.

Agora, já que estamos falando de campeões mundiais, aí vem a surpresa. Anunciamos um possível confronto entre o atual campeão nos -100kg, Jorge Fonseca, que também compete em casa, e o espanhol Nikoloz Sherazadishvili, seu colega nos -90kg, que está dando os primeiros passos na categoria dos pesados. O que não prevíamos é que eles fariam isso no segundo turno. Para isso, o espanhol terá que vencer uma primeira partida. Se o fizer, saberá imediatamente, sem demora, o que significa -100kg. Neste momento perguntamos ao seu treinador, Quino Ruiz, o que pensa. “Como ele não era cabeça de chave, sabíamos que ele poderia jogar com qualquer um. Para ser campeão você tem que vencer todo mundo. Ele teve um sorteio difícil, mas Niko está muito bem preparado.”

Temos uma curiosidade: a presença do novo campeão francês na mesma categoria. Seu primeiro nome é Joris e seu sobrenome é Agbégnénou, que certamente soa familiar para todos vocês. Ele é irmão gêmeo de Clarisse, cinco vezes campeã mundial e medalhista de ouro olímpica.


Jorge Fonseca

Já que estamos nas histórias picantes, não podemos deixar de falar de Scott Cusack, filho de Billy Cusack, o treinador britânico de Sally Conway, que agora também é treinador e em sua primeira missão, coloca as mãos no sueco Tommy Macias, que mudou categoria e em sua primeira luta nos -81kg, vai enfrentar, com certeza você já adivinhou – Scott Cusack. A verdade é que o sorteio parece uma novela venezuelana de sucesso onde tudo é possível, principalmente o impossível.

Para terminar bem e continuar com aquele toque de seriedade reivindicado no início, destacamos as palavras do Diretor de Arbitragem da FIJ, Jeon Kim Young, que disse: “É nossa responsabilidade garantir que as regras recentes, incluindo as atualizações , são aplicados, para garantir que temos o vencedor correto.”

Nenhuma pressão então, como muitos diriam; é o que o judô tem em sua versão profissional: se fosse fácil, todos poderiam fazer bem.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published.