Diz-se que uma visita recente à Europa abriu caminho para mais viagens ao exterior este ano para aprimorar suas credenciais de estadista.

Líderes europeus o receberam de braços abertos no final do ano passado, e Emmanuel Macron, um crítico feroz de Bolsonaro, o recebeu no Palácio do Eliseu, uma rara honra que sinaliza apoio.

Na mesma viagem, Lula foi para a Itália, onde líderes o receberam calorosamente dias antes da chegada de Bolsonaro à cúpula do G-20, na qual ele fez uma figura reclusa, visivelmente ausente da imagem dos líderes das Fontanas de Trevi. Lula estaria se preparando para visitar o Reino Unido.

Lula disse ao The Telegraph que usaria sua política externa para pressionar por alianças mais fortes entre os países latino-americanos que pudessem desafiar a doutrina dos EUA contra a China.

Essa união fortalecerá nossa soberania e nossas posições em um mundo que não pode permanecer em meio a uma nova guerra fria entre os Estados Unidos e a China. Queremos um mundo multipolar, onde haja mais cooperação entre as nações e menos conflitos.”

Lula foi absolvido de sua candidatura presidencial pelo Supremo Tribunal Federal após um ano e meio de prisão por aceitar propina de empresas de engenharia em troca de contratos públicos.

Parte do escândalo girava em torno de um apartamento prometido a Lola por uma construtora em troca de sua ajuda para conseguir contratos lucrativos.

Os críticos, e grande parte do eleitorado, afirmam que o Partido dos Trabalhadores de Lula está atolado em corrupção e argumentam que seu retorno arrisca mais danos à sensível democracia brasileira. Sua sucessora, Dilma Rousseff, sofreu impeachment por seu papel em um escândalo chamado Operação Lava Jato, uma enorme rede de suborno e lavagem de dinheiro que envolveu políticos recebendo propina de empresas de petróleo e uma construtora – e se estende por pelo menos 11 outros países. .

See also  Coronavírus mais recente: crescimento dos serviços dos EUA atinge alta recorde em maio

Lula disse ao The Telegraph que foi vítima de um “pré-julgamento” por alegações que o vinculam ao escândalo, que agora foram reprimidas.

Ele disse que não queria que Boris Johnson fosse julgado antecipadamente por alegações de corrupção em seu apartamento número 10.

Os partidos políticos são grupos que defendem ideias e disputam eleições. Se algum membro desse partido fizer algo errado, ele deve ser punido por lei, mas não se pode confundir os erros de um indivíduo com uma organização coletiva de milhares ou milhões de pessoas, porque isso acaba distorcendo a política.

“A história nos ensina, seja na Alemanha dos anos 1930 ou no Brasil nos últimos anos: quando a política é negada, o que vem a seguir é sempre pior”, acrescentou.

By

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *