Althahbiah

Informações sobre Portugal.

Em nome da pandemia, o Estado português pode agora controlar o acesso dos cidadãos às comunicações

Como parte do recente estado de emergência em Portugal, o estado pode controlar o acesso dos cidadãos a plataformas digitais, como Netflix, Youtube e sites de jogos.

A ideia é “proteger os serviços vitais do estado” – isto é, comunicações eletrônicas para hospitais e forças armadas – enquanto a demanda por redes fixas e móveis pode ser muito maior do que o normal, devido à presença de tantas pessoas “presas em suas casas “

Dizem os relatórios, a nova lei entrou em vigor às 00h00 de hoje (segunda-feira).

Dinheiro Vivo escreve: “O sistema e o tráfego são determinados por ordem governamental”.

O estado vai definir “os serviços de comunicações eletrónicas considerados muito importantes e tendo os clientes entre as suas prioridades, para os quais as empresas (telecomunicações) devem garantir a continuidade dos serviços”.

“O objetivo é prevenir os efeitos do congestionamento da rede”, diz ele online.

O diploma hoje publicado pelo governo esclarece que face ao “regresso do país a viver no contexto de uma emergência de saúde pública, que se tem agravado em relação à situação anterior, é necessário garantir a continuidade da oferta desses serviços vitais à a população em geral, sujeita a um estado de permanência nos seus domicílios, com efeito de Direta e importante sobre os requisitos de gestão da capacidade da rede fixa e móvel de suporte aos serviços de comunicações eletrónicas.

O que isso basicamente significa é que você pode estar no meio de uma sequência emocionante – ou prestes a ganhar um jogo online delicioso – e de repente ficar “chapado e seco”, talvez com uma explicação na tela de por que isso está acontecendo , e talvez não (isso não está no diploma).

Os detalhes essenciais deixam claro que os “serviços prioritários” não são, na verdade, apenas hospitais e forças armadas, mas se estendem para incluir:

  • SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal)
  • Ministério do Interior (Ministério do Interior)
  • Serviços de proteção civil
  • Serviços públicos – “especialmente os que incluem apoio” ao cidadão, como a Segurança Social, IRN (Instituto de Registos e Documentários), Centro de Gestão de Informática do Governo, Diário da República online, Agência de Modernização Administrativa, Autoridade Marítima Nacional e Autoridade Aeronáutica Nacional.
  • ERCS (autoridade reguladora do jornalismo)
  • Banco de portugal
  • Diversos serviços e órgãos vinculados ao Ministério da Educação, além das redes de ensino à distância
  • Serviços de Correspondência e Entidades de Apoio às Comunidades Autónomas dos Açores e da Madeira.

Todas as opções acima também devem ser uma prioridade quando se trata de “resolver erros ou problemas”.

natasha.donn@algarveresident.com