Após oito anos na Casa da Reforma, o jovem Spira regressa ao seu bairro na Reboleira, na Amadora, Portugal, e tenta restabelecer o contacto com os seus familiares.

Este é o início de “O Fim do Mundo”, “O Fim do Mundo”.

O diretor Basil Da Cunha tem trabalhado com atores não profissionais para contar as lutas que a geração mais jovem de origem cabo-verdiana enfrenta em Ripollera.

Basil Da Cunha explicou: “Esses três heróis que escolhi são crianças que vi crescer e são filhos de meus amigos”.

“Achei importante retratar o fato de eles morarem e honrarem nosso bairro, o Ribulera, que está desaparecendo”.

O cineasta luso-suíço vive nas favelas de Ripollera há mais de dez anos.

Diz que a região marginalizada e a sua comunidade em Cabo Verde ainda são invisíveis na sociedade portuguesa, pelo que decidiu torná-la o centro do seu filme.

“O cinema é o retrato de sociedades que infelizmente vivem nas sombras da história do país”, disse Da Cunha.

“O Fim do Mundo” esteve em competição em 2019 no Festival de Locarno, na Suíça, e ganhou o prémio de Melhor Longa Metragem Nacional no Festival Indie de Lisboa deste ano.

Foi exibido quinta-feira nos cinemas portugueses.

By Dinis Vicente

"Nerd de TV. Fanático por viagens. Fanático por mídia social aspirante. Defensor do café. Solucionador de problemas."

Leave a Reply

Your email address will not be published.