Astrônomos encontraram evidências de um novo planeta circulando Proxima Centauri, a estrela mais próxima do sol.

O mundo alienígena tem apenas um quarto da massa da Terra e orbita extremamente perto de sua estrela-mãe, a um décimo da distância entre o Sol e Mercúrio, o planeta mais interno do sistema solar.

Os pesquisadores avistaram o novo planeta depois de estudar pequenas oscilações no movimento de Proxima Centauri causadas pela atração gravitacional que exerce ao girar em torno da estrela. Observações feitas com o Very Large Telescope (VLT) do Observatório Europeu do Sul no Chile sugerem que o planeta completa uma órbita completa da estrela a cada cinco dias.

A descoberta mostra que a nossa vizinha estelar mais próxima está “recheada de novos mundos interessantes” ao alcance de mais estudos e futuras explorações, disse João Faria, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências Espaciais de Portugal e principal autor do estudo.

Os cientistas acreditam que o planeta orbita a cerca de 4 milhões de quilômetros de Proxima Centauri, o que significa que está mais perto da estrela do que sua zona habitável, onde a faixa de temperatura é ideal para a água correr livremente. Os detalhes são publicados na revista Astronomia e Astrofísica.

Batizado de Proxima d, o planeta é o terceiro – e o mais leve – a ser avistado em torno de Proxima Centauri, que a quatro anos-luz de distância é a estrela mais próxima do sistema solar. Ele se junta a Proxima b, um planeta com massa semelhante à da Terra, que completa uma órbita a cada 11 dias, e a Proxima c, que se acredita levar cerca de cinco anos para dar uma volta em torno da estrela.

Os primeiros indícios do planeta vieram em 2020, quando os astrônomos observavam Proxima Centauri para confirmar a existência de Proxima b. As medições revelaram um sinal fraco no movimento da estrela que tinha a característica de ser causado por um planeta orbitando a cada cinco dias.

Outras observações feitas com um instrumento no telescópio do ESO chamado Espresso confirmaram as suspeitas dos astrônomos de que um planeta era a causa e não mudanças na própria estrela.

“Este é um planeta de massa muito baixa e é o terceiro candidato ao redor da estrela mais próxima de nós”, disse Faria. “Isso mostra que esses planetas, semelhantes à Terra, podem ser comuns em nossa galáxia e próximos. E isso nos faz pensar sobre as possíveis condições de habitabilidade nesses sistemas planetários e se é possível que a vida apareça em outros lugares do universo.”

By

Leave a Reply

Your email address will not be published.