Cientistas em Argentina Eles descobriram os restos de um tipo de dinossauro carnívoro anteriormente desconhecido que viveu cerca de 70 milhões de anos atrás e tinha braços fracos e pode ter usado sua cabeça forte para repelir sua presa.

Crânio fóssil do período Cretáceo dinossauro, chamado Guemesia ochoai, foi descoberto na província de Salta, no noroeste da Argentina. Provavelmente pertencia a um grupo de dinossauros carnívoros chamado Apilissaurus, que andava sobre duas pernas e só tinha braços parecidos com a barriga, ainda mais curtos do que os dos dinossauros norte-americanos, disseram os pesquisadores.

Os pesquisadores disseram que os braços curtos podem ter forçado Gomezia a confiar em seu forte crânio e mandíbulas.

“É muito único e completamente diferente de outros dinossauros carnívoros, o que nos permite entender que estamos lidando com uma espécie completamente nova”, Federico Agnolin, principal autor de um estudo sobre dinossauros publicado no Journal of Vertebrate Paleontology e pesquisador com o Conselho Nacional de Ciência da Argentina, à Reuters.

Este animal potencialmente juvenil viveu alguns milhões de anos antes de um asteroide impactar o que hoje é a Península de Yucatán, no México, destruindo cerca de três quartos das espécies da Terra, incluindo os dinossauros, há cerca de 66 milhões de anos.

Os cientistas acreditam que o aplesaurus percorreu o que hoje é a África, a América do Sul e a Índia, e dezenas de espécimes foram escavados antes em Argentina Quase todos eles estão no sul da Patagônia, longe do local da descoberta de Gimécia.

“Sabemos que ele tinha um olfato muito apurado e miopia”, disse Agnolin, observando que ele andava ereto em seus pés grandes, com seu crânio duro liderando o caminho.

“Alguns cientistas acham que isso pode significar que o animal caça sua presa atacando sua cabeça”, acrescentou Agnolin.

A descoberta aumenta a reputação da Argentina como um tesouro de fósseis de dinossauros e outras criaturas pré-históricas.

Guemesia leva o nome do herói da independência argentina Martin Miguel de Guemes e Javier Ochoa, o funcionário do museu que fez a descoberta.

By

Leave a Reply

Your email address will not be published.