Ascensão de Skywalker: JJ Abrams chama Kylo e Rey de ‘irmão e irmã’

AVISO: O seguinte contém Spoilers de Star Wars: A Ascensão de Skywalker, nos cinemas agora.

Star Wars: A Ascensão de Skywalker explodiu nos cinemas neste fim de semana e, já, os fãs estão debatendo várias cenas do filme. Uma pergunta em particular era se Kylo Ren e Rey deveriam ser vistos como um par romântico. De acordo com o diretor do filme, JJ Abrams, eles deveriam ser mais parecidos com irmãos … exceto quando não são.

No final do filme, Kylo Ren (agora passando por Ben) e Rey compartilham um beijo antes de morrer. Abrams respondeu a um fã que perguntou se o emparelhamento estava implícito em O Despertar da Força. Segundo Abrams, eles não eram, embora um “vínculo” tivesse sido sugerido. Um vídeo da conversa foi postado mais tarde no Twitter, cortesia de @rizeofkylo.

Abrams disse: “Há tanto irmão e irmã com Rey e Kylo Ren quanto romântico. Portanto, não é literalmente um tipo de coisa sexual / romântica. É mais como se eles estivessem unidos dessa maneira louca e espiritual” Mais uma vez, senti-me romântico“.

Ele então comparou os dois à situação de Luke e Leia em O Império Contra-Ataca , dizendo: “É como John Williams, se você ouvir o – quando ele escreveu o tema de Luke pela primeira vez. Era um tema romântico para Luke e Leia. Isso era meio que o que ele estava pensando, porque ele não sabia para onde estava indo“. Embora, para muitos fãs, essa resposta suscite mais perguntas do que respostas.

Dirigido e co-escrito por JJ Abrams, Star Wars: A Ascensão do Skywalker, estrelado por Daisy Ridley, Adam Driver, John Boyega, Oscar Isaac, Lupita Nyong’o, Domhnall Gleeson, Kelly Marie Marie, Joonas Suotamo, Billie Lourd, Keri Russell, Anthony Daniels, Mark Hamill, Billy Dee Williams e Carrie Fisher, com Naomi Ackie e Richard E. Grant. O filme está agora nos cinemas.

Leia Também:

Star Wars: A ascensão de Skywalker Cena LGBTQ cortada do cinema em Dubai

Confira todos os ganhadores do Prêmios eSports Brasil

Trailer de Tenet promete algo pior que o holocausto nuclear