Antonio Banderas, um querido ator espanhol de sucessos como Desperado, teve um teste positivo para COVID-19. O ator acessou as redes sociais na manhã de hoje para compartilhar a notícia com os fãs. Banderas disse que passará seu 60º aniversário hoje em quarentena depois de um teste positivo.

“Saudações a todos. Quero tornar público que hoje, 10 de agosto, sou forçado a comemorar meu 60º aniversário em quarentena depois de ser testado positivo para COVID-19, causado por coronavírus”, compartilhou o ator no Twitter (via Newsweek ) A nota foi postada ao lado de uma foto em preto e branco de Banderas quando bebê.

“Gostaria de acrescentar que estou relativamente bem, apenas um pouco mais cansado do que o habitual e confiante para me recuperar o mais rapidamente possível seguindo as indicações médicas que espero me permitam superar o processo infeccioso que sofro e que as pessoas está afetando todo o planeta.”

Continuando, Banderas explicou como passaria sua quarentena, e o ator disse que espera refletir sobre seus 60 anos de vida até agora. Claro, ele vai demorar todo o tempo para se recuperar, e Banderas tem livros suficientes para lhe fazer companhia sempre que não estiver descansando.

“Vou aproveitar esse isolamento para ler, escrever e descansar, continuar fazendo planos para começar a dar sentido aos meus recém-libertados 60 anos que vieram carregados de desejo e ilusão”, continuou o ator.

Como você pode imaginar, os fãs estão enviando seus melhores votos a Banderas, enquanto ele começa a se recuperar do COVID-19. O ator é a última de várias celebridades que aumentaram a conscientização sobre o COVID-19 após serem testados. Tom Hanks e Rita Wilson foram dois dos primeiros casos de celebridades anunciados antes que outros como Idris Elba, Mel Gibson, Pink e muitos outros apresentassem seus diagnósticos.

Banderas também é um dos muitos espanhóis que contratou COVID-19. Atualmente, o país contabiliza um total de 314.000 casos, com 28.503 mortes. Quanto aos Estados Unidos, um total de 5,05 milhões de casos foram contabilizados, com mais de 162.000 mortes registradas.