‘Dry Ground Burning’ tem sua estreia mundial no Berlinale Forum, e marca a segunda colaboração entre os diretores Joana Pimenta e Adirley Queirós, depois de ‘Once She Was Brasília’, de Pimenta DP-ed Queirós.

Portanto, não é surpresa que os cineastas neste momento tenham aprimorado uma linguagem comum que em “Dry Ground Burning” oferece um filme que se afasta do estilo, enquanto caminha em uma linha tênue entre documentário e fantasia com ficção científica e tons ocidentais.

Produzido por Cinco Da Norte e Terratreme com Pimenta mais uma vez atrás das câmeras, a dupla volta a retratar os habitantes da Ceilândia, região da periferia de Brasília que tem sido tema recorrente na obra de ambos os cineastas. O filme acompanha as irmãs Chitarra e Léa, líderes de uma gangue feminina que refina óleo extraído de um oleoduto para vender aos motociclistas da favela Sol Nascente.

No entanto, a história da gangue já acabou, e seus membros se lembram dela na prisão. Nem o filme nem os personagens estão interessados ​​em manter uma cronologia estrita.

Mesmo que muitas vezes pareça um filme de ficção científica em ruínas – um gênero muitas vezes interpretado por Quiros, que dá um novo significado – com seu ambiente árido e maquinário artesanal, o filme ainda se passa em um Brasil muito contemporâneo.

diverso Ela entrevistou Pimenta e Quierós – aparecendo na temporada pré-pandemia apenas para cineastas brasileiros no Lincoln Center de Nova York – quando seu novo longa estreou na Berlinale.

Você usa pequenos espaços para criar um mundo maior que parece pertencer a um filme de ficção científica. Como você concebeu uma refinaria de petróleo? Quais eram suas regras?

coro: A refinaria era um espaço muito pequeno, um espaço dentro da cidade, é o método da fotografia que transforma o espaço em algo maior, toda a construção dos espaços foi pensada para criar uma realidade para os personagens, tudo foi construído de uma forma muito maneira funcional. Era importante para nós que os personagens tivessem lugares para morar, já que eram atores não profissionais, o principal eram os pontos de foco e interesse da cena. A perspectiva de construção de cenário antes e depois de Bolsonaro é bem diferente. Antes disso havia a crença de que o petróleo era nosso, e depois de Bolsonaro surgiu a ideia de guerra, confronto e roubo. Em um estava a ideia de encontrar petróleo, e no outro a ideia de roubá-lo, a ideia de roubar a pátria.

Pimenta: Começamos a escrever o filme em 2015, quando ficamos intrigados com a ideia de que o petróleo pode ser uma aventura. De repente, depois de encontrar uma reserva de petróleo no governo Lula, você tem muito dinheiro entrando na economia brasileira, já que o petróleo foi nacionalizado naquela época. Mas quando começamos a filmar, era uma realidade ultrapassada, o petróleo estava sendo vendido para empresas estrangeiras, então trabalhar estritamente na construção da plataforma vem do desejo de dar a certeza de que o petróleo poderia ter sido encontrado dessa forma. Toda aquela relação com o espetáculo, com o visual, e o rigor com que o reproduzimos foi cheio de história e terra.

As regras do filme são bastante restritivas, e seu conjunto de regras é bem claro desde o início, mas você quase nunca se move. Qual foi o processo de encontrar a linguagem da história?

Pimenta: Pensamos muito sobre o que queremos fazer com a câmera, se é um portátil que segue os personagens ou vai ficar completamente fechado. Quando começamos a trabalhar com Chitarra e Lea, eles eram tão fortes que queríamos criar um espaço que eles pudessem ocupar, pensamos que quando a câmera os seguia, havia um estouro, como a câmera ocupando muito espaço. A rigidez do quadro era importante para permitir um desempenho que estava sempre fora do nosso controle. Trabalhamos muito assim, sugerindo personagens fictícios para atrizes, mas depois retratando-as em estilo quase documental.

coro: Acho que no Brasil há pesquisas muito atuais para encontrar uma sensibilidade específica, já que a sensibilidade é em grande parte determinada por classe, território e pensamento. O cinema brasileiro precisa retratar essa realidade. É quase assumido que a câmera fixa não permite essa sensibilidade, como se estivesse entrando em uma formalidade. Para nós, essa formalidade deu outra força à realidade. No Brasil, o celular passa a ser portátil, como se a câmera tivesse a sensibilidade do personagem. Mas é apenas um formulário. Basicamente nas extremidades, como legado da ‘Cidade do Senhor’, é uma câmera dinâmica que ataca, mas criamos um símbolo onde a energia pertence a eles, os personagens.

imagem preguiçosa carregada

queima de terra seca
Crédito: Cinco de Norte

Embora muitas vezes pareça um documentário, o filme se baseia fortemente na narração de personagens para criar uma espécie de mito. Os arcos dos personagens progridem através do que contam, em pequenos gestos, não em grandes pontos da trama. Você pode comentar?

Koiros: É uma reflexão interessante, pois é possível pensar que a vida dos personagens é semelhante à vida do cinema clássico. Quando a vida é narrada, os arcos narrativos são levantados espontaneamente. A história é animada por representação visual. Leah é uma ótima contadora de histórias, mas também entende a dinâmica do cinema muito rapidamente, sem fazer um filme ou se preparar para aparecer na frente da câmera, e entende rapidamente como manipular e controlar a cena. Eles entenderam intuitivamente o cinema porque atuar é um trabalho em andamento, os arcos nasceram das histórias contadas a eles pelos personagens/atores e, claro, o trabalho de edição de Joanna e Christina (Amaral).

Pimenta: Foi também o processo de casting. Estávamos muito curiosos sobre as mulheres nas ruas, mas as que vivem nas ruas hoje são muito mais jovens do que as mulheres do filme. Procurávamos mulheres que tivessem uma história que pudessem olhar para trás com tristeza, seus rostos e corpos marcados por essa história, liberdade e prisão, e voltar, mas não encontrar de onde saí. É uma geração inteira que está presa e aquela sensação de não saber se você está no presente, passado ou futuro era uma arquitetura que queríamos para o filme. Você vai para a prisão e o que seu dia é para o resto do mundo são anos. Nesse sentido, é quase ficção científica, o tempo é muito relativo.

Mais uma vez, o filme muitas vezes confirma que o tempo está definido. Uma das cenas mais fortes do filme é a lenta panorâmica de 360 ​​graus em meio a uma multidão de apoiadores de Bolsonaro. Em sua extensão, esse tiro faz um comentário poderoso sobre o estado atual do Brasil….

Pimenta: Para mim, foi uma das fotos mais importantes que tirei. Fomos para Brasília em ano eleitoral, e assim que Bolsonaro ganhou, vimos todos os ricos que vieram se candidatar ao Congresso, então decidimos que iríamos só nós dois. Quando chegamos, Adirley teve que convencê-los de que trabalhamos em TV estrangeira e que eu não sei português. Para mim, foi ficar cara a cara com o mundo – perceber que o importante não é Bolsonaro, não é o partido, o germe da extrema-direita está aí e vai continuar depois de Bolsonaro.

Koiros: Acho que a extrema direita no Brasil nunca esteve tão organizada e não sei se vai acabar. Sou pessimista pelo fato de vivermos em uma geração política que perdeu o senso de vergonha por causa de seu cinismo, vergonha de classe, homofobia e misoginia, e que, ao contrário, as entende como virtudes. Acho que o que está no Brasil agora é a perspectiva tanto na vida comum quanto na política. Mesmo que Lula vença, as reformas de Bolsonaro mudaram nosso país. Desmantelou as políticas públicas e a possibilidade de intervenção estatal. Acho que não estou muito otimista.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published.